segunda-feira, maio 22

Do Museu Nacional de Arte Antiga à Gulbenkian


Foi uma surpresa ver o Museu Nacional de Arte Antiga cheio, apesar de saber que neste dia se comemorava o dia internacional dos museus e a entrada ser gratuita. Os salões perderam o silêncio habitual; a noite esteve quente, a fazer inveja aos melhores dias de verão, e uma ligeiríssima brisa desprendeu preguiçosamente milhares de flores dos jacarandás num jardim repleto de gentes de várias paragens; os alunos do Chapitô fizeram o que puderam.
Sempre achei que era nesta direção que os museus deveriam seguir: um lugar de oferta multifacetada onde o património material ocupa um lugar de relevo.
Recordo-me, quando aluno de escultura das Belas Artes, de uma proposta para um projeto de um parque infantil para a Fundação Calouste Gulbenkian. Pretendia atingir esses objetivos e, sobretudo, criar hábitos às crianças mais novas tornando esses espaços familiares. Todas as peças do parque infantil teriam como ponto de partida a escultura de Henry Moore da Fundação e seriam pensadas e moldadas de acordo com as necessidades lúdicas e o espírito dos mais pequenos. Em vão, não passou no crivo de um mestre a quem eu esqueci o nome. Já nessa altura, o cheiro bafiento que se instalara continuava a impregnar a cabeça de muitos zeladores de um património esconso.

quarta-feira, maio 17

"Salvador tem uma voz relaxada, afinada e extraordinariamente musical", Caetano Veloso

Também gosto muito da canção dos irmãos Sobral, mas não concordo com a ideia subjacente a toda esta gritaria que sobrevaloriza a vitória no Festival da Eurovisão, como se este concurso escrutinasse o que de melhor se faz ao nível da música popular. Não, este festival é e sempre foi muito fraco. Estávamos todos de acordo, não estávamos?
Bom, bom, como o inteligente Salvador reconheceu, foi o elogio do mestre Caetano Veloso. Aqui, entrevista ao DN.

sábado, maio 6

MNE corta exame que chumbava mulheres


Sendo verdadeira a notícia do Expresso, proponho ao ministério de Santos Silva que vá um pouco mais além. Vejam: (colocar legendas em português)



segunda-feira, maio 1

Cícero, por Robert Harris


«A sua (Molon) teoria  da Oratória era simples: não andar demasiado, manter a cabeça erguida, não se afastar do tema, fazê-los chorar, fazê-los rir e, uma vez conquistada a simpatia deles, sentar-se calmamente. - Nada seca com mais rapidez do que uma lágrima - dizia. Esta teoria estava mais de acordo com a maneira de ser de Cícero.»

«Devo falar-vos um pouco de Ático, cuja importância na vida de Cícero iria tornar-se extremamente importante. Já rico, recebera recentemente a herança de um tio, Quinto Cecílio, um dos mais detestados e misantropo prestamista de Roma: uma casa excelente no Quirinal e vinte milhões de sestércios em dinheiro; o facto de Ático ser a única pessoa que manteve relações razoáveis com aquele velho repulsivo até que ele morreu é bem revelador do carácter de Ático. Poderia haver quem visse ali oportunismo, mas acontecia que Ático, fiel aos seus princípios filosóficos, tinha por norma não se zangar com quem quer que fosse. Era um devoto seguidor dos ensinamentos de Epicuro («O prazer é o princípio e o fim da vida feliz»), embora convenha que se diga que não era um epicurista no sentida mais corrente, não procurava a luxúria, mas no sentimento mais verdadeiro, um seguidor a que os gregos chamam ataraxia, ou seja, a ausência de perturbação. Por conseguinte, evitava discussões e atitudes desagradáveis, aspirava apenas a tomar parte em discussões filosóficas com os seus amigos, de dia ou de noite. Achava que toda a humanidade devia perseguir objectivos semelhantes e sentia-se confundido por tal não acontecer. Era propenso a esquecer, como Cícero lhe recordava uma vez por outra, que nem toda a gente herdara um fortuna.»
Robert Harris, Imperium